Em tempos de corpos cada vez mais sarados, esbeltos e magérrimos, a busca por esse tipo de perfil vem crescendo exponencialmente, principalmente por conta da exposição nas redes sociais. As blogueiras fitness estão sempre divulgando novos produtos para emagrecimento rápido e milagroso, mas quando questionadas sobre o método que mais as fizeram “secar”, a maioria é categórica: dieta lowcarb.

O nome em inglês é autoexplicativo e significa baixo carboidrato (o que não quer dizer que o consumo deva ser zerado). Quer saber tudo sobre essa dieta e por que ela caiu tanto no gosto popular? Então, continue a leitura e descubra ainda dicas de alimentos permitidos. Vamos lá?

Funcionamento da lowcarb

Como dito acima, a dieta propõe a redução da ingestão de carboidratos, priorizando gorduras saudáveis e alimentos ricos em proteína. Para termos uma ideia da quantidade de carboidratos que deve ser reduzida, quem segue uma alimentação padrão costuma comer de 250 a 300 gramas por dia, já os seguidores da lowcarb diminuem esse consumo para no máximo 100g.

Por que emagrece?

A resposta a essa pergunta pode ser resumida em uma única palavra: cetose. Embora o nome não seja tão conhecido, ela nada mais é do que o estado metabólico em que o nosso organismo deixa de obter energia da glicose (fornecida amplamente pelos carboidratos) e passa a buscá-la por meio outras fontes, como os corpos cetônicos. 

Mas, esses tais de corpos cetônicos são tão bons em fornecer energia quanto à glicose?

A resposta é sim! Sob uma perspectiva biológica, ambos são fontes normais de obtenção de energia. O estado de glicólise só é mais comum porque grande parte das pessoas seguem uma dieta com um consumo majoritário de carboidratos e não de proteína ou gordura. 

E de onde vêm os corpos cetônicos?

Simples: eles são provenientes das nossas reservas de gorduras. Em outras palavras, quando o nosso organismo fica privado de glicose devido à baixa ingestão de carboidratos, o nosso fígado quebra os ácidos graxos que ficam no tecido adiposo e os transformam em corpos cetônicos, utilizando-os como fonte de energia. 

Então, a cetose pode ser classificada como a transformação de gordura em energia?

Exatamente! É por isso que o emagrecimento com lowbcarb pode ser até três vezes maior do que com as dietas tradicionais, que propõem um baixo valor de gordura. Além disso, a redução de carboidratos também melhora a estabilização da pressão arterial e diminui os níveis de açúcar no sangue.

Vertentes da lowcarb

Engana-se quem pensa que só há um jeito de seguir uma dieta com baixo consumo de carboidratos. Existem diversas dietas que, apesar de terem a mesma base, apostam em diferentes maneiras de priorizar a gordura como fonte de energia. Conheça algumas delas.

Dukan

Desenvolvida pelo médico francês Pierre Dukan, essa dieta é dividia em 4 fases, permitindo que a pessoa perca até 5g nos primeiros 7 dias. A primeira fase consiste na ingestão de alimentos ricos em proteínas, como carnes magras, ovos, Kani, alguns tipos de queijos etc. É expressamente proibido alimentos com alto índice de carboidratos, tanto os simples como complexos, incluindo, também, frutas e verduras. 

Já a segunda fase permite a introdução dos vegetais (devendo ser cozidos com água e sal, somente). É indicado intercalar os dias de ingestão desses alimentos, ou seja, comer somente proteínas num dia e no outro adicionar os legumes e verduras.

A terceira fase libera algumas frutas e os carboidratos complexos, como pães e arroz integral. Por fim, a quarta fase permite todos os tipos de alimentos, desde que haja moderação e priorização de produtos integrais.

Atkins

Muita gente confunde a Atkins com a Dukan e embora tenham bastante similaridade, elas diferem em um aspecto bastante importante: a ingestão de gordura. Enquanto a Dukan dá preferência às proteínas com baixo teor de gordura, a Atkins “libera geral” qualquer tipo de proteína, incluindo bacon, sim, bacon! (É claro que com moderação).

Ela também tem 4 fases sendo que, na primeira, a restrição de carboidratos é radical e altíssima, cerca de 20g por dia.

Cetogênica

Nessa dieta não há fases e, sim, uma proporção de gordura x carboidratos x proteína que se deve seguir à risca. Por exemplo, a porcentagem de consumo diária de gordura deve ser entre 60 e 70g, ao passo que a de proteína deve ficar entre 20 e 30g. Os carboidratos, obviamente, ficam com a porcentagem menor, devendo consistir entre 5 e 10g de toda a alimentação diária. Respeitando esses valores, pode-se comer o que quiser.

Slow carb

Ela é parecida com a Cetogênica por não ter tantas regras, exceto: evitar a ingestão de comidas com alto índice glicêmico, como frutas com muito açúcar (ainda que naturais), massas, pães ou grãos de carboidratos simples, doces etc. Além de priorizar sempre as proteínas. 

Ainda, essa dieta indica fazer um “dia do lixo” por semana para eliminar a vontade de comer besteiras e, assim, voltar à dieta com foco e força total.

Grupo de pessoas a qual a dieta é indicada

As diretrizes mais restritivas de dieta, como a Dukan ou a Atkins, são indicadas para aquelas pessoas ansiosas e imediatistas, que não têm paciência de esperar meses para conquistar o peso ideal e sempre acabam desistindo no meio do caminho. Ou então, para o perfil de pessoa que precisa de um choque inicial de emagrecimento para usá-lo como estímulo e continuar na dieta até atingir a meta. 

Já as opções maleáveis são praticamente indicadas para todos os grupos de pessoas que desejam seguir um estilo de vida mais saudável e manter o corpo em forma. No entanto, há exceções e contraindicações. 

Quem não pode seguir a lowcarb?

Os especialistas dizem que crianças e adolescentes devem evitar essa dieta, já que estão em fase de crescimento e precisam de todos os grupos alimentares em uma base equilibrada. Gestantes também não devem seguir a lowcarb, bem como os idosos que, por haver a possibilidade de perda de massa magra, podem adoecer se não houver um planejamento adequado e eficiente por parte de médicos ou nutricionistas.

Como visto, as dietas lowcarb, se seguidas de maneira consciente e responsável, podem ser extremamente benéficas para a maioria das pessoas, propiciando, além do emagrecimento, o aumento da autoestima e da sensação de bem-estar.

Gostou do artigo? Então, aproveite a visita e confira como aumentar sua qualidade de vida por meio da alimentação!